quinta-feira, 15 de junho de 2017

Berlim: De Bernauer Strasse a Prenzlauerberg

A História de Bernauer Strasse é a  história de uma cidade dividida

Aqui se passaram algumas das cenas mais dramáticas durante a construção do muro. Morreram pessoas que se atiraram das janelas dos edifícios, na tentativa de passarem para o outro lado.


De um dia para o outro, os moradores não ficaram apenas separados dos seus familiares. Muitos deles ficaram privados de lz, porque as autoridades da RDA taparam as janelas, de modo a impedir a vista sobre o outro lado da cidade.


Quando cheguei a Bernauer Strasse começou a chover ( foi o único dia em que choveu a sério durante a minha estadia em Berlim) e, pela única vez em Berlim, também senti que chorava por dentro, ao imaginar o martírio de quem  lá vivia. E lembrei-me,obviamente, do filme Adeus, Lenine.

Se em Check Point Charlie, a encenação turística retira em grande medida o peso dramático daqueles tempos...


... em Bernauer Strasse sente-se todo esse peso. É  aqui que se sente, com mais intensidade, a marca de uma cidade cruelmente dividida.

Almocei  na super animada Oranienstrasse. Uma refeição ligeira, porque não aguentava o peso dos momentos que acabara de viver. 


Prossegui a pé, sob um céu de chumbo até Prenzlauerberg. Só ao chegar próximo de Kulturbrauerei o sol voltou a brilhar e, num ápice, o céu foi-se retalhando em tons de azul.

Foi nesta antiga fábrica de cerveja, hoje    transformada num centro de encontro muito popular, especialmente entre jovens-   fez-me  recordar a LC Factory -  que recuperei a boa disposição.


Não pensem que foi graças à cerveja - esses prazeres estão-me vedados. 


Foi, sim, graças a um animado grupo de jovens alemães com quem entabulei conversa e me fizeram acreditar que os berlinenses já ultrapassaram os traumas de uma cidade dividida.


 Fingi que acreditei e todos ficamos felizes.

(Continua)

5 comentários:

  1. Está mesmo a aguçar o apetite para uma visita.

    Não consigo imaginar o drama de, de repente, ver uma cidade divida ao meio e sem qualquer comunicação entre os dois lados.

    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  2. Uma situação dramática para ambos os lados.

    Já NÃO há traumatismos​, mas a unidade do povo alemão contínua nas estrelas...

    ResponderEliminar
  3. Interessante. Tive essa mesma sensação quando passeei em Berlim.

    ResponderEliminar
  4. Perdi a noção do tempo passar quando visitei o Checkpoint Charlie Museum.Sente-se demasiado o peso da atmosfera daquele passado aina tão vivo.

    ResponderEliminar
  5. Je mange le chocolat soulement apres midi et vous Portuguesitos...quand? Merci Beaucoup et aurevois.

    ResponderEliminar